Datas cívicas de maio

    Datas  cívicas e comemorativas de Maio     01 –...

Leia Mais

Vista turva

0

Postado por Regina Ferreirinha | Poesias diversas | 06-09-2017

Por onde anda o amor que não apareceu.

Exaltas a morte sem ao menos se render.

Sua frieza em tratar a vida me entristeceu.

Não era assim , minha alma não soubes ler.

 

A fé e o amor

Não  me acompanhou.

Num travesseiro, calo a minha dor.

 

Quanta espera, sem ser vista, o ar sumiu.

Entre um ou mais dias a cor empalideceu.

Ninguém sabe e nem por ali viu.

Um gde amor que por política ruiu.

 

 

Sebedoria do coração.

derrotada entre linhas.

Só ficou a ilusão.

 

 

Regina Ferreirinha

Toque

0

Postado por Regina Ferreirinha | Diversas | 05-09-2017

Naquele dia alguém falou de flores.

Meus olhos ardentes esperaram tanto!

Falava comigo com lábios trêmulos.

E porquê na rua lá no canto

Sentia o perfume de viçosa em odores.

 

Coração palpita e espera um carinho.

Apenas um toque….é tudo que me acalma.

Mas tão longe está tua fala, que não liberta um caminho.

Encolhida em mistério, mostre me o mistério.

Tão longe…mas tua alma não me afaga.

 

 

regina ferreirinha

Ser ou não ser

0

Postado por Regina Ferreirinha | Diversas | 05-08-2017

O fogo arde.
A criança chora.
O reporter olha
Na tv não há quem fale.

 

 

É a burguesia que bate na mesa
Não quero cidade que cheira gente.
Vestem manto de realeza
Na tv alguém descaradamente  mente.

 

Vagabundo..
Deixe espaço quero passar.
O perfume tem que espalhar.
Aroma francês, vá embora .

Não és humano.
Vá para outro lugar.
Humanista vá se lascar.
Teu grita me amola.

Choro se cala.
Pelos cantos a fome
Não há SOL,pobre some
Não há quem o console.

 

 

Quem sabe um dia os humanistas serão respeitados em seu grito pelos desamparados.

 

Regina Ferreirinha 05-08-2017

Silêncio

0

Postado por Regina Ferreirinha | Diversas | 05-08-2017

O silêncio que desnuda a dúvida.

São sonhos que são desfeitos

Não há contemplação ,laços desfeitos

A tristeza agora aflora lúdica.

 

Tanto me distanciei desta página.

Volto de mãos atadas sem ter nada.

Minha saúde já está ávida

O risco se apagou  com água.

 

Um dia no além de pó irei para sem porem.

Se amei e só fiquei, aos meus olhos não olhou.

Minha alma aos poucos se calou.

Cm tanto sofrimento que o coração retem.

 

 

Regina Ferreirinha 05-08-2017

Verdejante…que contemplo

0

Postado por Regina Ferreirinha | Poesias natureza | 09-02-2017

Foto que tirei em Capitólio.

A imagem pode conter: 1 pessoa

 

 

Ondas latejem em mim e  os portões que se abram.
Onde clamor de nossas vozes ressoem.
Olho o verde das matas e o amarelo ouro de riqueza.
OUÇO “Não me devastem, sou mãe gentil, não me doem”
Que nossas vontades de cidadão se façam.

Impeça  ganância que  destroe MAE grandeza.

 

 

Ouço choro o pranto da primavera que se oculta .
Garras insanas , ferem minha doce flor e me sepulto.
Sai, vá , deixe a mãe natureza que amor desperta
Deixe minha veste e o ar puro que desfruto.
Quero continuar neste extase, colher madura fruta.

 

A natureza ao seprulco não irá, pela vida LUTO.

 

 

 

 

 

Regina Ferreirinha

Foi só um sonho

0

Postado por Regina Ferreirinha | Poesias diversas | 09-02-2017

 

 

 

Queria tanto  ser teu fiu fiu…ou tua luz.
Um sorriso que apagou em mim.

Lindos sonhos que no horizonte reluz
Foi parte de uma onda de ilusão sem fim.

 

Sonho.
Sonho.

 

Apenas uma miragem que a vida colocou
Passou rápido e nem reparei

Meu coração em flor que tocou
Não sei se em seu coração um dia estarei.

 

Sonho
Sonho.

 

Minha alma um dia se deslumbrou
Festiva ao som da valsa que tocava

Um passos rápido ao som se elevou
Um sonho, pensei  que me amava.

 

 

Regina Ferreirinha

A democracia…FOI>

0

Postado por Regina Ferreirinha | Crônicas e contos | 31-08-2016

As flores morrem , mas a primavera irá ressurgir de um mar de lama…
De um mar de desamor… para que AMOR?
De um mar de intrigas… Não se liga…a fadiga de discurso lunático…que acena
Amargamente descobri que no decorrer desta história triste…amigos não são amigos…E cá comigo…eu sozinha sigo.
Descobri as duras penas…que o amor só é amor qdo há interesses igual… Desconforto fatal.
Meus olhos choram…porque não foi só a democracia que morreu…foi a ética…foi a família…Eu ia.
Foi embora m o brilho de olhar sorrindo para algumas pessoas…Ao longe saudade ressoa.
Meus olhos estão tristes…porque sei que meu país será vendido…e minhas netas dificilmente irão recuperá-lo
.Meus olhos estão tristes…Por quê não acreditaram no lado certo da história?
Mas…tenho certeza que a primavera qdo voltar a florir…terá outros sonhos a cultivar.
Só não sei se terei tempo de colher novas flores…e poder de  novo ..TE AMAR!!!!

 

 

Regina Ferreirinha